segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Centro XLI - rua Primeiro de Março

Dando continuidade à postagem anterior, veremos agora o edifício da direita, que está em pior estado de conservação, desta dupla de prédios adornados com belos telhões de faiança, provavelmente de fabricação do norte de Portugal (Porto), que se encontram no final da rua Primeiro de Março.





Abaixo, vemos um pormenor ainda mais de perto da transição do prédio apresentado nesta postagem, com seu vizinho, que foi abordado na postagem anterior.




3 comentários:

  1. Ainda não tinha visto estes telhões aqui, amigo Fábio, tão arredada tenho andado dos blogues; estes e os da postagem anterior, belíssimos e já nossos velhos conhecidos!
    Que lindos! Oxalá os preservem no lugar, mas este beiral já está bastante degradado, ao menos que os coloquem em sítio seguro em caso de demolição, não acha?
    Já destinei que na minha próxima visita ao Rio - será sem falta no próximo ano - não vou perder o Museu do Açude. E também vou procurar passar nestas ruas do centro histórico...
    O Luís tem razão, o Fábio tem divulgado aspetos do Rio que são muito interessantes e podem até atrair turistas...
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem preciso dizer que a primeira pessoa na qual penso, quando vou fazer uma postagem de telhões, é você! E também, nestes momentos, lá volto eu ao seu blog para consultar as suas postagens sobre telhões, que sempre me auxiliam muito.
      Este prédio está passando por uma intensa reforma interna, então vamos torcer para que respeitem o tombamento do imóvel, e não só preservem, mas também recuperem os telhõ es, e reponham os faltantes.
      Quando você vier ao Rio, pode contar com minha companhia no dia em que for fazer o roteiro "azulejos/telhões" no centro do Rio.
      b'jinhos
      Fábio

      Excluir
  2. Obrigada, Fábio! Já tinha intenção de o contactar para poder contar com a sua generosa disponibilidade. Oxalá seja possível na altura.
    Bjos

    ResponderExcluir