sábado, 20 de maio de 2017

Comparação de padrões: "Plafondblad"

Desta vez iremos comparar variações do padrão que é conhecido na Holanda por "Plafondblad", ou chapa/folha/placa de teto.

No livro "De Nederlandse Tegel - Decors en Benamingen", de Jan Pluis (2013), encontramos a informação de que este padrão teria sido produzido de 1850 até 1920 nas cidades de Harlingen (fábrica Van Hulst) e Makkum. No catálogo do Museu do Azulejo da Holanda, consta ainda que estes azulejos teriam sido produzidos também na cidade de Utrecht.

Acervo do Museu do Azulejo da Holanda



Acervo do Museu do Azulejo da Holanda

Simulação da formação do padrão a partir da peça acima.

Peças encontradas no site ebay.com

Aqui no Rio de Janeiro, azulejos com este padrão podem ser encontrados em Santa Teresa, no Solar da Chácara do Viegas [>>]

Santa Teresa (RJ/BR) - Solar da Chácara do Viegas

Santa Teresa (RJ/BR) - Solar da Chácara do Viegas

Santa Teresa (RJ/BR) - Solar da Chácara do Viegas

Santa Teresa (RJ/BR) - Solar da Chácara do Viegas

Este padrão de azulejo já pode ser encontrado em quantidade num antigo imóvel no bairro do Catumbi (RJ/BR) [>>] , que infelizmente foi bastante desfigurado, no qual permaneceram apenas oito azulejos do conjunto original.

foto do acervo particular de Olinio Coelho.

Ainda na cidade do Rio de Janeiro, podemos encontrar algumas peças do padrão "Plafondblad" de origem holandesa, já da produção semi-industrial de virada do século XIX para o XX, no acervo da Coleção Nelson Torzecki que está na exposição permanente "Azul Cobalto", na Galeria Scenarium [>>].

Acervo Rio Scenarium
Acervo Rio Scenarium

Curiosamente, vamos encontrar azulejos muito parecidos com estes acima, na cidade de Niterói (RJ/BR), no Solar do Jambeiro [>>].

Niterói (RJ/BR) - Solar do Jambeiro

Niterói (RJ/BR) - Solar do Jambeiro

Porém, se olharmos com cuidado, veremos que estes foram produzidos com impressão industrial, talvez serigrafia ou algum processo similar, apresentam as arestas curvas, uma ligeira borda branca, e o que mais devemos prestar atenção: os detalhes que parecem "erros" de decoração, como pontos fora do lugar, falhas de estampilha, etc., se repetem EXATAMENTE iguais em TODOS os azulejos:


Niterói (RJ/BR) - Solar do Jambeiro
O que me leva a acreditar que estes azulejos, que não são encontrados no casarão do século XIX, mas num banco de jardim neocolonial, e revestindo um tanque num anexo do casarão, sejam na verdade réplicas já produzidas no Brasil, muito provavelmente a partir dos azulejos holandeses semi-industriais, em algumas das ondas de revivalismo do "azulejo colonial" do seculo XX, como se vive novamente desde meados de 2015.

Abaixo apresento algumas versões do padrão, que ainda se encontram à venda no Brasil:

fonte [>>]
fonte [>>]
fonte [>>]

Por fim, trago um caso interessante de uma antiga farmácia, a "Pharmacia Popular" na cidade de Vitória de Santo Antão (PE/BR), localizada a 50 quilômetros a oeste da capital estadual. A "Pharmacia Popular" é uma das farmácias mais antigas do Brasil ainda em funcionamento. Em sua fachada apresenta uma versão estampilhada e simplificada do "Plafondblad":

fonte [>>]
fonte [>>]

fonte [>>]

Google Street View

Nenhum comentário:

Postar um comentário