segunda-feira, 14 de novembro de 2016

padrão "Rozenster" pelo mundo

postagem original: 29 de janeiro de 2016

fonte >>
Hoje encontrei no Blogspot uma foto (1) de azulejos em Beja, Portugal, que são provavelmente uma simplificação do padrão "Rozenster" holandês (em algumas fábricas/catálogos "Ross Ster") (2, 3, 4).

Me interessam muito estes "intercâmbios" ou "influências" (talvez fosse melhor dizer, cópia livre) de padrões azulejares entre os diversos países. Aqui no Rio de Janeiro há padrões compartilhados entre portugueses e holandeses, e entre holandeses e franceses.

"Rozenster met hartjes"


Neste link [>>] é possível encontrar uma série de exemplos do "Rozenster" no Rio de Janeiro.

padrão "Rozenster" holandês (em algumas fábricas/catálogos "Ross Ster") em catálogos holandeses.
(cortesia de Peter Sprangers, Holanda.)

A seguir, a curiosidade de uma foto (5) na Argélia, obtida no Instagram, de uma versão estampilhada um pouco mais "fiel" ao padrão Rozenster.

fonte >>

Por fim, mais uma foto do Instagram (6), que está legendada como sendo do Castelo de São Jorge, Lisboa, mas que infelizmente eu não consegui encontrar em minha mais recente passagem pela cidade.


Neste caso o padrão é incrivelmente similiar ao holandês. E chama a atenção os azulejos com o padrão em questão serem ligeiramente menores que os "Estrela e Bicha". O que eu mais queria era medir estes 2 conjuntos de azulejos, pois fica para mim a suspeita que os "Rozenster" possam ter 13,2 cm, e os "Estrela e Bicha" 13,5 cm. Se algum amigo em Lisboa passar pelo Castelo, encontrar este conjunto, e ainda por cima tiver uma régua no bolso (rs), agradeço a informação!

Atualização em 24/9/2016

Semana passada, em uma visita ao Museu do Açude [>>], encontrei esta curiosa versão francesa do padrão "Rozenster":



Atualização em 14/11/2016

Sábado passado estive em Beja, e encontrei o imóvel com a releitura em amarelo e azul do padrão "Rozenster":





Abaixo vemos uma página do livro "Arte Azulejar de Beja", de Florival Baiôa Monteiro, sobre o imóvel (recomendo ampliar a foto).


Só "esqueceram" de dizer que o padrão em questão é uma simplificação do padrão holandês "Rozenster" (em algumas fábricas/catálogos "Ross Ster"), produzido naquela país desde pelo menos 1800. 

Atualização em 16/11/2016

O Francisco Queiroz, que muito sabe sobre azulejaria de padrão dos sécs. XIX e XX em Portugal, me falou que o livro está errado, pois estes azulejos seriam algumas décadas mais antigos do que afirmam.

4 comentários:

  1. Boa noite Fábio
    este final de semana último estivemos em Beja e ficámos completamente de boca aberta com a riqueza azulejar que reveste a quase totalidade do claustro e salas principais do convento onde hoje está instalado o Museu Regional desta cidade. Logo o Luís prometeu que da próxima vez que cá vieres uma viagem a Beja será um "must".
    Quanto aos do Castelo de S. Jorge, tentarei lá ir um destes dias que tenha livre para medir os benditos dos azulejos para verificar se têm 13,2 ou 13,5 cm de lado.
    Abraço
    Manel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Manel,
      Não gaste seu tempo com isso; um conhecido de facebook, arqueólogo, já foi lá com 2 outros, varreram tudo, e nada daquele banco. Nossa conclusão é que aquilo é no interior de alguma casa particular nas imediações, e quem postou a foto a marcou erroneamente como "Castelo de São Jorge", provavelmente pq era o georreferenciamento mais perto que tinha à disposição.

      obrigado pela generosidade em tentar verificar isso para mim.
      abraços!

      Excluir
  2. Ainda bem que o padrão e os azulejos foram encontrados, pois seria uma pena se tal não acontecesse. O imóvel fica amplamente melhorado com estes azulejos. Torna-se muito original e o conjunto até parece exótico.
    Se não fosses tu teria ficado mais difícil determinar a origem deste padrão
    Manel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Manel,
      O Francisco Queiroz, que muito sabe sobre azulejaria de padrão dos sécs. XIX e XX, me falou que o livro está errado, pois estes azulejos seriam algumas décadas mais antigos do que afirmam.
      abraços!

      Excluir