sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Gamboa VIb - rua Pedro Ernesto

Ontem meu caro amigo Raul Félix. me enviou 3 imagens de uma coleção de postais publicada pela Prefeitura com o tí­tulo "Olhos de ver", editada por volta de 1986. Sua (ótima) ideia é permitir uma comparação do estado dos imóveis há nem tanto tempo assim com o estado atual. Esta rua é infelizmente uma das mais abandonadas da Gamboa, que em si já é um bairro abandonado, que ainda não sentiu os benefícios da remodelagem e revalorização da região portuária.


O primeiro postal que apresento, com foto de Cláudio Garcia, apresenta o imóvel que vemos abaixo, em imagem obtida no Google Street View. Nem é preciso comentar a violência que esta pequena casa sofreu nos quase 30 anos da foto acima para a abaixo. Embora a definição seja baixa, me parece que o ano que consta no medalhão é 1905.


Neste outro ângulo, podemos perceber que a janela da esquerda foi transformada em uma porta.


De toda forma, no tocante aos azulejos, mesmo sujos e pixados ainda é um dos conjuntos mais intactos de toda a rua. Estão praticamente todos lá.

4 comentários:

  1. que horror! ontem vi no blog de luís, o velharias, que a companhia de energia de Portugal, simplesmente passa os cabos e fios sobre, às fachadas!!!! pregados na frente, sem o mínimo de respeito. Aqui em Salvador, recentemente, duas casas foram embora-restaram as fachadas- devido a incêndios, sinistros.Aqui tudo pega fogo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jorge, os incêndios tem sido infelizmente algo por demais regular aqui no Rio. Recentemente 6 casarões foram embora de uma só vez.
      abraços

      Excluir
  2. Que interessante esta comparação Fábio. Ainda bem que é possível!
    Será necessário utilizar registos de compilações anteriores, o que implica pré-existência de arquivos de imagens.
    Ora esta situação não é muito comum, a não ser em arquivos estatais, quiçá! Ou em postais, como foi este o caso.
    Por isso, fico muito encantado por poder perceber a forma original, mas algo preocupado por reparar que não há qualquer preocupação pela recuperação ou mesmo manutenção.
    Manel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Manel,
      Os méritos da possibilidade desta postagem são todos do Raul Félix.
      Acho muito pouco provável que este tipo de material exista nos arquivos públicos brasileiros.
      abraços

      Excluir